Cincinato | Brasil

Início » 2016 » março

Arquivo mensal: março 2016

Repensando as relações dos militares com Dilma!

Walter Felix Cardoso Júnior

Dilma concede entrevista a imprensa internacional e é vista como uma pessoa desequilibradaSempre que vejo milicos servindo governantes petistas, isso me causa desconforto. Acompanhei, no passado, a situação deles, assessores, ajudante de ordens, durante os governos Sarney, Color, Itamar e FHC. Sempre me pareceu estranho. Com Lula e Dilma, a minha sensação foi de que esse processo caminhou para a promiscuidade, pra não dizer imoralidade. Esses militares precisam ter o estômago de avestruz para suportarem, diariamente, e bem de perto, todo esse abismo de crimes, de irregularidades mal justificadas, de histerias, e, ainda assim, de terem que atendê-los em caprichos bizarros. Muitos deles acabam se comprometendo por completo, e definitivamente. Os mais fracos emocionalmente passam a defender os bandidos, distanciam-se da Força e dos antigos companheiros de farda, e ficam marcados. Acrescento, ainda, apoiado em depoimento de companheiros que também conhecem nuances do problema, que, para terem a certeza de que nada velado vaze através desses subordinados militares, os políticos os tornam progressivamente vulneráveis, corrompendo-os planejadamente, contemplando-os com diárias extras, com cursos no exterior, com cargos de mando e visibilidade, com promoções que fogem ao padrão, e com o agenciamento de consultorias de segurança para empresas privadas que operam no exterior, geralmente na África, como é o caso da mina de diamantes de Catoca, em Angola, administrada pela Odebrecht, em que significativo número de militares Forças Especiais, do Exército, mas no gozo de licença, lá estiveram recentemente. Com tudo isso martelando em mentes ambiciosas, lentamente a corrupção vai apagando os princípios, os valores e os ideais de vida, tão duramente forjados por anos a fio em uma formação militar de elite mundial. Alguns desses guerreiros passam de patriotas a mercenários ou a carreiristas autistas. Não se deve ir aonde não se consiga voltar.

imageWalter Felix Cardoso Junior
Dr. Engenharia de Produção (PPGEP/UFSC)
Coronel da Reserva do Exército Brasileiro
Departamento de Segurança – FIESP
True Intelligence
https://br.linkedin.com/pub/walter-felix-cardoso-junior/1/4a8/2a7

Carta aberta aos Bispos do Brasil

Movimento Legislação e Vida (Movimento Católico)

Em meio à grave crise política, econômica, institucional e, acima de tudo profundamente moral, nós católicos recorremos a cada membro do episcopado brasileiro, para que em cada Diocese haja uma posição clara e firme em relação aos graves danos que o Partido dos Trabalhadores (PT) causou à Igreja Católica e à nação brasileira nestas últimas décadas, especialmente nos últimos treze anos à frente do governo. Um partido que chegou aonde chegou com a conivência, a cumplicidade, a omissão (e até o favorecimento) de muitos bispos, seduzidos pela retórica do populismo e pela demagogia.

Desde o início, era preciso ter havido coragem para denunciar o PT como um partido revolucionário, de ideário socialista, aliado de governos comunistas e ditatoriais (especialmente Cuba), que emergiu com a bandeira da ética para chegar ao poder e depois dilapidar o estado brasileiro, aparelhando as instituições e implementando a agenda anti-vida e anti-família das fundações internacionais, a agenda abortista, etc. E tudo isso com a complacência do clero progressista da CNBB, e através de ONGs e pastorais atuando no seio da igreja, dos teólogos da libertação, e de toda sorte de infiltrados.

Faltou coragem a muitos bispos do Brasil, firmeza, e fidelidade ao Magistério: ao não alertarem os fiéis do risco de excomunhão — e do risco à própria salvação — aos que apoiavam o PT (Catecismo, n. 2246); ao não denunciarem o projeto de poder totalitário do Foro de São Paulo (que Lula fundou e implantou com Fidel Castro); e, ainda, ao não rejeitarem o projeto utópico da Pátria Grande socialista sendo construído pela UNASUL com a simpatia e apoio de vários bispos.

Hoje, os fatos expostos pela Operação Lava Jato estão escancarando ao mundo a verdadeira face do PT, seu modus operandi que em tudo contraria os princípios e valores cristãos e as diretrizes da Doutrina Social da Igreja. Por isso, urge que os bispos do Brasil, ainda em tempo, façam o mea culpa por terem permitido ao PT chegar aonde chegou, com as consequências calamitosas no campo político e econômico, mas sobretudo no campo moral e cultural.

Que sigam o exemplo de um Papa, S. João Paulo II, que teve a humildade de pedir perdão e rever posturas quando necessário. E que nesta Páscoa possamos à luz do Evangelho, “Caminho, Verdade e Vida”, ressuscitar como povo católico, verdadeiramente sal e luz para o Brasil, coração do Continente de Esperança.

Os projetos dos “Filhos de Chocadeira”

JC Berka

Os “filhos de chocadeira”, enquanto o país  está atordoado pela crise, conspiram para a consecução de seus objetivos. Quanto pior , melhor!

Mas tem gente lúcida e atenta, agindo como sentinela na defesa da Pátria.

A Dra. Damares Alves, advogada e assessora jurídica do Senado Federal  é  um exemplo de que devemos nos orgulhar e seguir. Veja um de seus vídeos.

Filhos de Chocadeira

O Juiz e o Ministro

JC Berka

“O Homem pensa, Deus ri.” Provérbio Judaico.

Ao iniciar minha trajetória profissional, muito jovem, tive um ensinamento de um professor de Informações (antiga denominação para a área de Inteligência): O principal atributo de um homem de Inteligência é a humildade intelectual.
Portanto, aquele que subestima o adversário ou aquele que julga que tudo sabe, está derrotado de antemão.
Nossa civilização incensa a competitividade, o consumismo, a aparência enganosa dos bem-sucedidos e exitosos, lisonjeia poderosos, aplaude ricos e famosos. Com isto gera um modelo para o que quer ser bem-sucedido na sociedade hodierna.
Daí, a busca insensata pelo Ter, que não se restringe aos bens materiais, mas também ao acervo intelectual e cultural que se pode adquirir e armazenar. Desprezo total pelo Ser.
Relega-se a um segundo plano os atributos básicos e inerentes àqueles que foram “criados à imagem e semelhança de Deus”.
Com isto, nos construímos como caricaturas do Onipotente, simulacros que mais se aproximam do Príncipe deste Mundo: o Diabo.
Via de regra, o velho deveria ser sábio, ao passo que o jovem deveria ser impulsivo e açodado. Mas como toda regra tem exceção, a Operação LAVA JATO, tem nos mostrado, que nem sempre é assim. Tomemos o comportamento do Juiz MORO e daquele que está Ministro, EUGÊNIO ARAGÃO.​
Ao reconhecermos o acerto das atitudes do Juiz, sua independência compromissada somente com a Lei e os Interesses Pátrios, sua cautela e sabedoria nos procedimentos, sua performance isenta de vedetismos, devemos, mesmo nesta aridez de bons exemplos de homens públicos, tomar o cuidado de não transformarmos nossa admiração em elogios, pois não ignoramos os malefícios destes para a alma humana. Nenhum ser humano é imune à bajulação, pois esta, mesmo que sopesada pela razão, nos trai pelo inconsciente.
Porém, é inegável que o comportamento do Juiz, merece o aplauso e apoio do povo brasileiro. Mesmo sabedores que a LAVA JATO, não é luta de um homem só, mas de toda uma brilhante equipe e de todos os homens brasileiros, MORO, tem mostrado coragem e desassombro no combate ao crime organizado, mesmo que este tenha como protagonistas os próceres da República e a elite da classe empresarial.
Pela primeira vez, experimentamos a sensação de que a LEI pode e deve ser aplicada a todos.
MORO e a equipe da Polícia Federal, do Ministério Público, da Receita Federal e do Judiciário, estão construindo os alicerces da Pátria Educadora. A verdadeira, não o artifício de marketing de João Santana.

E aquele que está Ministro, que numa definição muito feliz do site “O antagonista”, foi cognominado de Aragão, o breve, erudito, bem preparado intelectualmente, com trajetória no exterior, com imagem de bastião da Lei, sempre apontado como solução para o STF. “Amigo” de Janot, de Gilberto Carvalho.
Vivandeira dos quartéis na atualidade, buscador incessante de contatos na área militar.
Abanando a cauda sempre que abria uma vaga para indicação presidencial, frouxo diante do desacato de Lula, que pediu-lhe uma atitude “de homem”.
EUGÊNIO ARAGÃO, está protagonizando uma novela surreal: sempre se soube que os ratos são os primeiros a abandonar o navio. No caso da Nau dos Insensatos, ao afundar o PT, seu desgoverno e ao afogar a corja que instalou-se nas distintas instâncias do poder, a ratazana pula a bordo.
Faltou-lhe, certamente, dois atributos que sobram a MORO, Sabedoria e Correção.
Insensato, aposta num time que está prestes a ser alijado do poder, com muitos de seus líderes marchando para o sistema carcerário.
Insensato, hostiliza a principal instituição de seu Ministério, ofendendo uma categoria que goza de um apoio popular inédito no país. A Operação LAVA JATO, já supera em importância a OPERAÇÃO MÃOS LIMPAS, da Itália.
Desonesto e cretino, intenta obstaculizar o processo de redenção da política brasileira e um freio às manipulações do crime organizado.
Mas, enquanto ele em sua soberba sabedoria humana, inflada por áulicos que lhe rodeiam, pensa que tudo pode, Deus ri!
Logo será investigado por impropriedade administrativa.
Como alguém que há pouco, estava envolvido com a observância da Legislação Eleitoral e seus procedimentos, pode no mesmo governo ser indicado para Ministro da Justiça. Que isenção era aquela, enquanto estava no TSE?
Pois, bem, dez meses antes da eleições, fui procurado por um aspone de ARAGÃO, com a seguinte demanda: o Sub-procurador, tem dois questionamentos e gostaria de ter tua ajuda:
1. As urnas eleitorais podem ser fraudadas?
2. Como fazer para evitar?
Como não sou expert na área, recomendei uma pessoa de minhas relações, Doutor em Direito e Doutor em Tecnologia da Informação, que além de tudo, ocupa um cargo importante numa carreira de Estado.
Foi feito o contato e esta pessoa esteve com EUGÊNIO ARAGÃO, nas dependências do TSE. No encontro, o interlocutor de ARAGÃO, fez dissertação sobre o tema : fraude nas urnas eletrônicas.
Propôs-lhe medida preventiva, sem ônus, sem licitação e extremamente simples e confiável. ARAGÃO, disse-lhe que entraria em contato. Tempos depois, através de intermediário, disse que não era oportuna a sugestão do especialista.
Então, ficou claro que, sabedor de que estava lidando com o cerne da informação sobre a fraude nas urnas, estava mal-intencionado. Tentava a blindagem do Governo e dos asseclas que manipulariam tecnologicamente os resultados das eleições.
ARAGÃO prevaricou?
Com a palavra a Polícia Federal. Esta mesma que o “católico” adepto do Santo Daime intenta amordaçar e castrar.
MORO é um exemplo saudável para a juventude brasileira e às futuras gerações; ARAGÃO, o bolor que queremos extirpar da vida pública brasileira.

O dia “D” brasileiro

JC Berka

Neste 13 de março o Povo Brasileiro, fará sua “ escolha de Sofia”.

Neste dia, enviaremos ao Mundo a mensagem de que escolha tomamos para os rumos que nortearão nosso País.

Da resultante, teremos o respeito mundial ou a continuidade da imagem de que “não somos um país sério”; agora reforçada pela de que somos um país de ladrões !

Há oito anos atrás, a banda Os Titãs, produziram o que hoje pode ser o hino do inconformismo com o descalabro político brasileiro, a música

 

VOSSA EXCELÊNCIA

0

Temos que escolher de que lado estamos.

Estaremos ao lado daqueles que até a presente data usufruíram de governos corruptos conduzidos por um simulacro de ideologia que mascara o animus delinquendi, duma patota que nunca viu mel e que quando viu, lambuzou-se?

Estaremos do lado daqueles que vivem numa zona de conforto, conseguida à custa de uma omissão covarde e criminosa?

Estaremos do lado daqueles que constituíram o mais acabado sistema de agiotagem oficial, enriquecendo a banca nacional e internacional, empobrecendo o povo, liquidando seu poder de compra e colocando em risco sua subsistência?

Estaremos do lado dos responsáveis pela cristalização do crime organizado, entranhado em todos os setores da vida nacional, constituindo-se na Economia Bandida, a única que prospera neste cenário de terra arrasada?

Estaremos do lado de gente que consciente ou inconscientemente, conspira para a destruição dos valores pátrios, tentando arrebentar com a família, incentivar o consumo de drogas, obstaculizar a liberdade de credo e crença, estimular a erotização precoce de nossas crianças, legalizar os jogos de azar, adotar como prática de política partidária a “lei do Gerson”?

Estaremos do lado de políticos que até ontem integraram a base de apoio do governo maldito, usufruindo das benesses e maracutaias do amancebamento com lobistas, doleiros e empresários?

Estaremos junto com aqueles que sem pejo ou remorso, vendilhões da Pátria, traidores de seu povo, incensam a Mamon, genuflectados diante de propinas e subornos?

Estaremos de mãos dadas com uma oposição que não honra a votação expressiva que teve dos descontentes, e que covardemente, omite-se acumpliciando-se com a situação, tentando como avestruz, ocultar-se das próximas denúncias?

Estaremos juntos com lideranças que desfibradas por vida viciosa, refém de suas fraquezas, ameaçadas por chantagistas de serem denunciadas por pecadilhos da vida privada, acovardam-se e tornam-se coniventes com o desgoverno?

Ou estaremos ao lado de milhões de brasileiros que perderam seus empregos?

De milhares de empresários que tiveram que fechar suas portas?

Ou estaremos dos infelizes que penam nas emergências dos hospitais; de alunos prejudicados pela falta de meios e professores; do cidadão acuado por uma criminalidade cada vez mais assustadora e desassistida por uma polícia ineficiente e muitas vezes corrupta; dos aposentados que enfrentam o constante corroer de suas aposentadorias, ameaçados constantemente pela falência do sistema previdenciário; dos jovens que são manipulados solertemente por um processo educacional ideologizado, tangidos para um mercado de trabalho inexistente.

Enfim, de que lado estaremos? Por quem vamos lutar?

Até onde vai nossa indignação? Ou já estamos anestesiados, indiferentes a tudo que aí está?

Estamos dispostos a pagar o preço da mudança?

Estamos prontos para fazermos oposição ferrenha aos inimigos da Pátria, sabedores que somos e conscientes que estamos que esse processo não dar-se-á sem luta e, infelizmente, sem sangue?

Então, cabe a cada qual sua escolha. Nossa vida, individual e coletiva é construída em face das escolhas que fazemos.

Devemos assumir nossas responsabilidades como homens, como pais, como profissionais, como cidadãos.

Devemos assumir o protagonismo da almejada mudança. Não espere pelo políticos. Por Salvadores da Pátria.

Não espere pelos “heróis” construídos pela mídia.

Herói é você, que enfrenta as adversidades diárias, as vicissitudes de cidadão de um país conduzidos por uma corja sem compromisso com seu povo.

Herói é você que mesmo diante da crise que atravessamos, não perdeu a esperança e ainda está motivado a lutar por um país mais justo e fraterno. Por uma sociedade mais igual.

Por um Brasil que realmente seja de todos que o habitam, que o constroem diuturnamente e que devemos proteger dos apetites internacionais e de seus cúmplices internos.

Que você diante do embate que se aproxima, fique do lado certo:

Fique do lado do Brasil!

Brasil sem azar – vidas livres da Jogatina

image

Paulo Fernando Melo

“O jogo não anda sozinho. Ele está sempre acompanhado do crime”, afirmou o advogado brasiliense Paulo Fernando Melo, hoje, na audiência pública realizada pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa o Projeto de Lei n˚ 442, que propõe a legalização da atividade no Brasil. Representante do Movimento Brasil sem Azar (BSA), que reúne ativistas de todo o país pela proibição da jogatina, ele disse que os argumentos pró-legalização não passam de falácias que não refletem qualquer compromisso com o bem-estar e a segurança da população.
Paulo Fernando classificou o PL como uma espécie de “bode na sala”, colocado para desviar a atenção dos graves problemas políticos e econômicos que o país está enfrentando. “Querem fazer a população acreditar que a legalização resolverá todas essas questões num passe de mágica, trazendo o dinheiro que falta aos cofres públicos”, disse ele. “Mas legalizar é abrir a porta do imprevisível”, alertou. “A jogatina é legal para quem quer lavar dinheiro. Para os jogadores, significa risco e perdas.”
E as perdas não são apenas financeiras. Segundo Paulo Fernando, a jogatina vicia e cria doenças tão graves que a Organização Mundial de Saúde incluiu o jogo patológico no Código Internacional de Doenças (CID). “O transtorno destrói a vida familiar e social dos viciados de tal forma que já foram criados grupos de jogadores anônimos em 77 países, para tratar da questão, nos moldes dos grupos de alcoólicos anônimos”
O representante do Movimento Brasil sem Azar também destacou que mulheres e pobres estão entre as maiores vítimas da jogatina, e derrubou o argumento de que, nos EUA, a atividade é liberada. “Ao contrário do que afirmam os que defendem a liberação dando aquele país como exemplo, entre os 50 estados americanos, 32 não admitem o jogo. Apenas 18 autorizam a jogatina”, comparou.
Perfil mafioso
A experiência americana também foi lembrada pelo secretário de Relações Internacionais da Procuradoria-Geral da República, Peterson de Paula Pereira. Ele citou os exemplos dos EUA, que estão “atormentados” pela jogatina on-line, e do Canadá, onde o Estado não só autoriza, como opera e fiscaliza os jogos. “A arrecadação não é expressiva”, disse ele.
Peterson defendeu a necessidade de aprofundar o debate antes de levar a discussão a Plenário. “A decisão sobre a legalização não pode ser açodada. A comissão deve se aprofundar nas informações e nas discussões, para avaliar a relação custo/benefício dessa atividade. Há um grande impacto na saúde, que exige atenção”, recomendou.
O perfil mafioso da atividade, segundo o secretário, impõe esse cuidado. “O jogo é suscetível à atuação de organizações criminosas, que não se intimidam, e a legalização não vai impedir a corrupção. É preciso criar mecanismos de controle muito rigorosos, com ações profissionalizadas de fiscalização, sobretudo em relação à lavagem de dinheiro.” A preocupação com a criação de emprego, lembrou, é justa, “mas é preciso questionar se novos atores entrariam nesse mercado de áreas já tão demarcadas pela ação criminosa”.
Cartas marcadas
Para o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB/PR), essa avaliação custo/benefício ainda não foi realizada porque “a comissão foi criada para aprovar o jogo, e não para discutir”. Ao contrário do que afirmam os defensores da legalização, o jogo, segundo ele, não é gerador, e sim, consumidor de riqueza. “O jogo leva à ludopatia, à destruição da família. Apesar disso, não há um estudo decente para justificar a legalização. E não venham com essa história de que o jogo vai dar 20 bilhões de lucro, que é mentira.”
A próxima reunião da comissão foi agendada para quarta-feira, 16, às 14h30, na Câmara dos Deputados. O Movimento Brasil sem Azar pediu a convocação da juíza aposentada e ex-deputada Denise Frossard, responsável pela condenação de 14 bicheiros que lideravam o crime organizado no Rio de Janeiro, em 1993.

Acesse aqui na íntegra o material da audiência pública na Câmara dos Deputados.

CINCINATO e a liturgia do cargo

JC Berka

Não foi por acaso que escolhemos como patrono de nosso blog, CINCINATO, estadista romano (vide Início deste blog) e utilizamos seu nome para nominarmos esta iniciativa na Rede Mundial. O espectro político brasileiro, extrato de nossa sociedade, demonstra, à saciedade, uma penúria de valores humanos, o destroçar da Ética, o campear da Imoralidade e da Amoralidade.
Na década de 90, o ex-presidente Sarnei, cunhou a expressão “Liturgia do Cargo”, com ela querendo designar o comportamento inerente aqueles detentores de cargo ou função pública, mais precipuamente, aqueles investidos nos cargos de Presidente da República, Governadores, Chefes do Legislativo e Judiciário. Na boca de um político matreiro e literato rococó como Sarnei, a denominação cheirava ao coronelismo das plagas maranhenses, acostumado aos currais eleitorais. Na realidade, puro cinismo. Todos sabemos que Sarnei foi um dos políticos mais corruptos no exercício do poder e depois deste.
Talvez, o subconsciente tenha traído o autor de “Marimbondos do Fogo”; certamente estava referindo-se ao próprio desempenho, e ao comportamento de políticos como, Collor, Paulo Maluf, Renan Calheiros, José Dirceu, e outros tantos.
Mas expressão cunhada por Sarnei, cai como uma luva para enquadrarmos o comportamento de LULA.
Levando em conta os acima mencionados, vemos que a pretensa liturgia configurava-se num exercício acabado de hipocrisia com laivos de sociopatia. Gente hábil no uso da “persona” do teatro grego, uma máscara para cada ocasião. Gente que no exercício constante da manipulação, da mentira, do embuste, mente tanto, que acaba acreditando em suas mentiras, vivendo num limbo entre a fantasia oportunista e a realidade.
E nisso, LULA é o exemplo acabado. Tanto ele quanto Dilma são sociopatas!
No início havia um menino cujo nome era LUIS INÁCIO DA SILVA; no meio sindical ganhou a alcunha LULA.
E o homem metamorfoseou-se no personagem.
Foi lógico e coerente. LUIS INÁCIO tinha uma vida cinzenta, numa mescla de lar desfeito com pobreza. Era mais um no universo de migrantes nordestinos que tentavam a sorte na Paulicéia.
LULA, por obra do Destino, ou projeto elocubrado nos laboratórios da Geopolítica dos sindicatos europeus ou do feiticeiro GOLBERY DO COUTO E SILVA, deixou de ser lagarta para desabrochar borboleta. Da rotina e mesmice de um torno mecânico aos palanques dos comícios de trabalhadores. O personagem foi tomando o lugar do homem. Até que nada sobrasse deste último. Como no livro “Metamorfose” de Franz Kafka.
Mas o tempo de borboleta é efêmero. E como em muitos casos na História humana, heróis viram vilões. A borboleta transformou-se numa mariposa. Feia, repugnante.
Agora sem luz própria, vive atraída pela luz dos poderosos, dos ricos, das zelites, o alvo preferencial de suas perorações d’antanho. Comensal de poderosos, passageiro de jatos privados de grandes grupos empresariais, doutor “honores causa” de um sem número de instituições cujos governos desejavam bajular o beócio, sob cuja guarda estavam riquezas de um grande país, a mariposa louca dá-se conta da finitude humana e desesperadamente tenta perpetuar-se num misto de mito e mártir. O país que se arrombe, o povo que se lixe!
Num surto psicótico, cuja duração põe à prova os enunciados da psiquiatria, o personagem atinge seu clímax, depois de dissabores da desconstrução do mito, da perda do poder e da ameaça de uma “espada de Dâmocles” sobre sua cabeça, ameaçando e engendrando um holocausto da Nação Brasileira.
Como o Personagem é o “soldado do passo certo”, o mais puro dos brasileiros, aquele que nunca sabia dos malfeitos de seus asseclas, me perguntei porque não se utiliza o polígrafo no processo investigatório na esfera criminal. Apesar dos detratores desta ferramenta (políticos, advogados, juristas de araque, meliantes), este poderoso instrumento é utilizado pelas polícias do primeiro mundo e pelos serviços de inteligência: CIA, NSA, MOSSAD, FSB, etc.
Depois me dei conta, de que, mesmo sem a utilização do polígrafo, a força tarefa da LAVA JATO, tem caminhado numa marcha batida ininterrupta. E com resultados. Porque como dizia meu conterrâneo e ex-governador de meu estado, Espiridião Amin: “os homens não são anjos, deixam pegadas!”…
E pegadas, LULA e patota deixaram. E muitas e bem visíveis.
Agora, esgotadas todas as malandragens, tem como último recurso contra pesadas penas, a delação premiada.
Porém, um pequeno problema, como muitos sabiam das mesmas coisas, afinal, funcionavam como quadrilha, quem denunciar primeiro, leva, aos outros, restam as tentativas daquilo que tem pernas curtas: a mentira.
LULA e DILMA, são cadáveres insepultos.
Temos de enterrá-los de vez : atrás das grades!
Não por um sítio, não por um apartamento, mas por crimes lesa Pátria.
Pela adesão ao Foro de São Paulo, pelo roubalheira da Petrobrás, pelos desvios de verbas públicas, pela falência da Saúde Pública, pelo estado calamitoso da Segurança de nossas urbes, pelo acumpliciamento com serviços secretos estrangeiros, pelo destruir de nosso parque industrial, pelo sinistro plano de destruição da família, pela política leniente com tráfico de drogas, pelo advogar a vinda de máfias internacionais para gestão dos jogos de azar, pelo amancebamento com o sistema financeiro nacional e internacional, enfim por traírem a Pátria.
Para substituir estas figuras daninhas no cenário nacional, não podemos esquecer-nos das lições da história: nunca mais um “caçador e marajás”, nunca mais um “príncipe-filósofo”, nunca mais um caudilho, nunca mais um embuste de um operário messiânico.
Chega de iluminados. Chega de Salvadores da Pátria.
Precisamos de um CINCINATO, que se proponha a servir a seu povo. Não a servir-se dele.
Necessitamos urgentemente, de um Homem sem maiores veleidades e ambições pessoais. Alguém que inaugure um novo tempo.
Tempo de recuperarmos a brasilidade. De vivermos com dignidade neste maravilhoso país. Tempo de resgate da alma nacional, amarfanhada por interesses espúrios dos inimigos da Pátria

Lula, o piromaníaco

JC Berka

Quatro de março de 2016.
Esta data ficará registrada na história atual do Brasil. A LAVA JATO, atravessou o Rubicão. Sua força-tarefa atingiu um novo patamar republicano: a Lei é para todos.
Todos são iguais diante da Lei. Inclusive notáveis, megaempresários, medalhões da OAB, militares, policiais, membros do Judiciário, ministros, ex-presidentes, políticos de várias esferas, lobistas e doleiros.
O Juiz MORO e a força-tarefa queimaram as caravelas!
A partir de agora não cabe vacilos ou titubeios. Ou vai ou racha!
LULA et caterva, foram conduzidos sob vara, para oitiva em dependências da Polícia Federal no aeroporto de Congonhas; juiz, membros do Ministério Público, Polícia Federal e Receita Federal, mostraram pela primeira vez que esta Pátria pode ser Educadora!
Que o legado seja : O CRIME NÃO COMPENSA!
Se este é o ensinamento básico do episódio, não pode passar desapercebido algo não menos importante : a conduta do Capo, LULA.
LULA, sempre foi um poltrão! Sempre foi um covarde física e moralmente. Nunca soube de nada, sempre fizeram pelas suas costas, sempre traíram sua confiança. Até nos affairs, nunca teve uma atitude de homem. Nunca assumiu nenhum dos casos amorosos, desde Miriam Cordeiro até Rosemary Noronha.
E para aqueles que defendem a salvaguarda da vida privada do homem público, vale o alerta de que quando vêm a público minúcias de vida íntima daquele investido em função pública, via de regra a responsabilidade é daquele que misturou o público com o privado, produzindo uma lambança na esfera patrimonial ou comportamental.

Pois bem, o que gostaria de enfatizar é o comportamento do Garanhão de Garanhuns. Covarde na vida pessoal, manipulador, amoral, diante de um público ou diante de microfones e câmeras, agiganta-se: encarna com maestria o papel de estadista, de condotiero, de Salvador da Pátria!
Na fala aos seus seguidores, feita nas dependências da sede do PT em São Paulo, após seu retorno do Aeroporto, LULA, produziu um de seus melhores momentos de oratória: em tom coloquial e intimista, no qual é mestre para comunicar-se com a massa, mostrou-se o LULA de sempre.
Vitimizando-se, produziu lágrimas de crocodilo, lembrando que as zelites nunca perdoaram o torneiro mecânico que ousou querer ajudar seu povo, ser presidente. Esquecendo que “elogio em boca própria é vitupério”, colocou-se como o melhor presidente que o país já teve. Enalteceu sem pejo seu papel de globetrotter, mesclando o papel de lobista de grandes empresas com palestrante canhestro. Teve a cara de pau de dizer que o Mundo queria saber de sua boca, como tinha se dado o Milagre Brasileiro, de distribuição de renda, de erradicação da pobreza, dos programas sociais. Com isso justificou sua renda como palestrante e jogando confete sobre si mesmo, alardeou diante duma audiência amestrada sua crença de encarnar o Oráculo de Delfos.
Mas, mais do que suas defesas das imputações que lhe estão sendo feitas, das suspeitas que surgem diariamente sobre a lisura de sua conduta misturando o privado com o público, o que realmente chamou a atenção foi o pusilânime, em meio a basófias e rosnados, sugerir a mobilização da plebe ignara para contrapor-se ao “golpe” em andamento.
Esquecendo-se que não estava no Estádio de Vila Euclides, em São Bernardo, emitiu palavras de ordem dignas de uma Passionária. Reeditando Isidora Dolores Ibárruri Gómez, a líder comunista basca, coroou sua fala com um “ No pasarán!”
Para tanto, conclamou CUT, MST, movimentos sociais atrelados e a militância petista a engajarem-se num mutirão de resistência e de refundação do partido.
Onde mora o perigo?
Quem, ainda hoje defende LULA , o PT e genéricos?
Quem ainda, depois do sonho de um governo de trabalhadores, consubstanciar-se no pesadelo de uma plutocracia amancebada com políticos, exercendo o poder sem escrúpulos através de um partido configurado em organização criminosa, ousa ainda defender a Estrela Cadente?
Um tripé.
Uma militância aparelhando o setor público em mais de 25 mil cargos de confiança, contribuindo com um dízimo para o partido; uma classe empresarial parasita do Estado, plugada nas tetas do BNDES, e usufrutuária dos CARFS da vida; e por último, o Foro de São Paulo, conduzido por espertalhões tipo, MADURO e EVO MORALES, sob a égide do bolorento regime cubano.
Considerando que para a resultante de uma América Latina bolivariana, a Fênix do Comunismo Internacional, o projeto LULA e PT é vital, a rapadura não vai ser entregue de bandeja.
Daí, o energúmeno, sentindo-se acuado e amedrontado pelas barras da Lei, irresponsavelmente e descompromissado com o bem-estar de seu povo, incita os ânimos, namorando com o incendiar do país.
Empreiteiros, banqueiros, apaniguados do BNDES, não irão para as ruas, buscarão instrumentalizar o lumpemproletariado (para usar uma expressão e designação tão cara aos marxistas remanescentes) que de acordo com MARX e ENGEL, tinha e tem como características o cinismo e a absoluta ausência de valores. Essa gente, ou melhor, como um dia, de maneira corajosa, JORGE BORNHAUSEN, cognominou de “essa raça”, é que poderá converter-se em massa de manobra, em ameaça à segurança pública e dos cidadãos.
Porém se a ameaça não é desprezível, resta-nos o conforto de saber que o povo brasileiro está cansado de tanta corrupção e desgoverno.
Se LULA, o piromaníaco, conseguir o intento de insuflar seus seguidores, encontrará o que há muito vem buscando!
Então, “ Brava gente brasileira…”