Cincinato | Brasil

Início » 2017 » fevereiro

Arquivo mensal: fevereiro 2017

PETRÓLEO E CRIME ORGANIZADO II

JC Berka

 

Anos atrás, ao prestar consultoria à ANP – Agência Nacional do Petróleo,  entrevistando seu corpo funcional, fui perguntado por um Geólogo, se sabia o real papel da Agência. Intrigado, pois tinha analisado todo o documental referente a criação e funcionamento do órgão, interpelei-o pedindo esclarecimentos.

Profissional com vasto currículo e grande experiência, disse-me, sem rodeios, que o verdadeiro papel da ANP era lastrear a dívida externa brasileira. Que o país não tinha lastro em ouro para garantir empréstimos internacionais; recorrendo ao repasse de reservas petrolíferas para empresas estrangeiras em comum acordo com a entidade financeira que concedia os empréstimos. Tudo a revelia do Congresso, a quem cabe aprovar endividamento externo. Para tanto, rodadas licitatórias eram manipuladas.

Isto se deu no findar do Governo de Fernando Henrique Cardoso, quando o diretor da Agência era o embaixador Sebastião do Rego Barros. No início do governo Lula, este e outros fatos relativos à simbiose Crime X Petróleo, foram levados ao conhecimento do próprio Lula, de José Dirceu e de Luis Gushiken. Nenhuma atitude saneadora foi tomada. Pelo contrário, a Agência foi aparelhada partidariamente e o descalabro continuou. Hoje, se desejamos passar o Brasil a limpo, estes dados devem ser investigados e apurados.

Funcionários da Agência já foram acusados de montarem um balcão de negócios na mesma, gerando investigações inócuas. Dificuldades geradas para venderem facilidades; acobertamento de ilicitudes no setor, através de fiscalização cabrestada; maquiagem de dados técnicos, tais como volume de upstream e montante de reservas descobertas; autorizações para importação de volumes estratosféricos de solvente, mesmo com auto-suficiencia nacional. Vale lembrar que este insumo é preponderante para preparação da sopa que gera combustível adulterado.

Além destes fatos mencionados acima, acredito que deva ser colocado sob a lupa investigatória, empreendimentos tais como, o gasoduto Bolívia-Brasil, a permuta de ativos entre a Petrobrás e a Repsol na Argentina, a aquisição de ativos da Petrobrás na Argentina pelo grupo de CRISTOBAL LOPEZ, testa de ferro de CRISTINA KISCHNER, acusado de lavar dinheiro do narcotráfico, principalmente do Cartel de Sinaloa, do México ,  a desapropriação da refinaria da Petrobrás na Bolívia, por Evo Morales , a constituição e funcionamento da petrolífera PETRA ENERGIA, a lavagem de dinheiro do crime organizado (principalmente contrabando de cigarros) através da aquisição de postos de combustíveis no interior de São Paulo e Mato Grosso e o mistério da Refinaria de Manguinhos, no Rio de Janeiro.

Na realidade, o setor necessita de um choque de transparência. Precisamos auditar à saciedade, práticas e resultados deste importante e imprescindível segmento da Economia. Afinal, inexiste projeto de infraestrutura sem previsibilidade de energia e combustíveis.

Se desejamos planificar para as futuras gerações, necessário se faz um acerto de contas com os desvios e criminalização do setor.

Que a LAVA JATO, amplie seu escopo, ou gere operação sucedânea. A faxina iniciada tem que ter efetividade e resultados. Este é anseio nacional e uma urgência do pais que necessita ser passado a limpo.

 

JC Berka é consultor em Segurança e autor do livro

EXECUTIVOS, POLÍTICOS & BANDIDOS

Anúncios

PETRÓLEO E CRIME ORGANIZADO I

                                                                   JC Berka

As ameaças à LAVA JATO, consubstanciadas em mobilização da corja política criminosa, coreografia de rábulas homiziados no STF, advogados “espertos” verdadeiros “consiglieri” do crime organizado, agentes da Lei cooptados e Judiciário macomunado, prenunciam horizontes plúmbeos para o país.

Estamos caminhando a largos passos para um conflito intestino, que certamente enlutará a Nação Brasileira. Várias vezes já me manifestei de que o tecido social esgarçado, não se recuperará sem sangue. Infelizmente, diante da irredutibilidade de ambos lados, o conflito se agudizará. Só uma sangria recuperará a sanidade nestas plagas.

O entranhamento do crime organizado nas diversas esferas do Poder, a criminalização do estamento empresarial, a impunidade reinante, somente foram ameaçados no Brasil, pela ação moralizadora e saneadora da Operação LAVA JATO. Polícia Federal e Ministério Público, em força-tarefa, mostraram o norte e deram o exemplo. Fizeram-nos acreditar que na terra do “jeitinho”, é possível recuperarmos a brasilidade e o respeito do concerto da Nações.

Resultados foram obtidos. Poderosos estão atrás das grades, e executivos, políticos e bandidos, estão com as barbas de molho.

Mas a reação já se faz sentir. Quando até  Temer está ameaçado de prestar contas, diante de delações que o mencionam como envolvido em malfeitos, a fala constante nos corredores do Poder, é “ A LAVA JATO foi longe demais.”

Pois bem, essas figuras espúrias dissociadas da realidade, cevadas no conforto das maracutaias de um governo de compadrio, desfilam airosas certas da proverbial impunidade nestas plagas.

Ledo engano. O povo está cansado de pagar o pato que não comeu.

“Quem pariu Mateus que o balance!”.

Roubalheira geral. Concentração criminosa de renda. Estado falido e inerte. E agora, todos são chamados para apertarem o cinto, postergarem sonhos, abreviarem suas vidas, em benefício de uma “elite” doentia, libertina e arrogante que se julga acima da Lei, e com direitos sonegados ao resto da população.

Neste momento da vida nacional, todos são chamados ao bom combate.

Nestes tempos bicudos, Caxias faz falta: “Sigam-me os que forem brasileiros!”.

Quero dar minha contribuição.

A LAVA JATO tem focado nas falcatruas da Petrobrás com empreiteiras. Por osmose, tem chegado a outras áreas.

Mas gostaria que o alvo das investigações fosse ampliado.

Que fossem mais fundo. Que se debruçassem sobre a manipulação do subsolo brasileiro.

Que a ANP – Agência Nacional do Petróleo, fosse investigada. Desde sua criação. Estou certo de que atos lesivos aos interesses pátrios foram e continuam sendo praticados. Que tem gente hipotecando nosso futuro sem nossa anuência.

Rodadas licitatórias, autorizações para importação de petróleo, solvente, ureia, fossem escaneadas.

Que contratos de suporte técnico fossem colocados sob uma lupa.

Que a carreira profissional de executivos da Agência fosse acompanhada após sua saída da mesma. Se a devida quarentena foi observada. Se protocolos de confidencialidade foram observados.

Enfim, se o patrimônio brasileiro foi assegurado. Se houve preocupação e compromisso com as futuras gerações.

 

 

JC Berka é Consultor em Segurança e autor do livro

EXECUTIVOS, POLÍTICOS & BANDIDOS.